O termo Responsabilidade Social (RS) vem sendo utilizado em vários sentidos e permite muitas interpretações. O que mais nos interessa está relacionado à resposta que damos a todos aqueles que, de alguma forma, estão ligados ou interligados a nós, como pessoas e como organizações. Refere-se àqueles a quem nossas atitudes, escolhas e decisões, de algum modo, geram consequências, impactam ou afetam.

 

A partir dos anos 1990, surgiu uma nova visão sobre a Responsabilidade Social: a que se materializa por meio de políticas, estratégias e ações que visam, em última instância, a contribuir para o Desenvolvimento Sustentável (DS). E, para que o desenvolvimento seja sustentável, passa a ser necessária uma revisão de crenças e valores que embasam as ações sociais de todas as organizações, bem como o desenvolvimento de novos modelos de atuação dos diferentes atores sociais.

 

A definição cunhada pela ISO 26000, e também adotada na norma brasileira ABNT NBR 16001, é a de que a responsabilidade social “é a responsabilidade de uma organização pelos impactos de suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente, por meio de um comportamento ético e transparente que:

 

• contribua para o desenvolvimento sustentável, inclusive para a saúde e o bem-estar da sociedade;

• leve em consideração as expectativas das partes interessadas;

• esteja em conformidade com a legislação aplicável;

• seja consistente com as normas internacionais de comportamento e

• esteja integrada em toda a organização e seja praticada em suas relações.”

 

Uma organização, que verdadeiramente adote e pratique a Responsabilidade Social de forma integrada em sua gestão, poderá contribuir, de maneira significativa, para um mundo melhor, mais justo e que possibilite a continuidade da vida no planeta, pois utilizará os recursos naturais de forma racional e sustentável.

 

Além disso, essa organização estará agindo como se deve agir, ou seja, de modo ético, coerente e responsável. É isso o que cada vez mais a sociedade, e os consumidores/cidadãos em particular, esperam das organizações que produzem serviços e bens. Muitos, inclusive, privilegiam produtos que sejam oriundos de empresas que praticam a Responsabilidade Social.

 

Isso não significa, entretanto, que empresas que têm suas ações focadas em um ou outro tema não tenham práticas e iniciativas importantes. Muitas vezes existem boas iniciativas. Todavia, quanto mais expandirem sua atuação para uma abordagem mais ampla, abrangente e integrada, mais rápida e efetivamente fomentarão a transformação para um novo padrão de produção e consumo.

 

Daí a relevância de que toda a sociedade, profissionais, estudantes, professores, consumidores, investidores, enfim todos nós conheçamos o que hoje a Responsabilidade Social propõe e que possamos privilegiar organizações que adotem estas normas, já que sua adoção é voluntária.

 

Seminário – O Comitê Gestor de Sustentabilidade do TCE-MA realizará no dia 20 de abril, sexta-feira, um seminário que abordará o tema Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável. O evento contará com palestra de especialista, exibição de vídeos com depoimentos e exposição das atividades da comissão.